Buscar

OS 7 FATORES ESTRUTURANTES DO INÉDITO



Nas minhas pesquisas, quando elaborava o conceito do INÉDITO, percebi nas pessoas que pesquisava algumas características em comum.

De imediato, conclui que essas características deveriam ser bem desenvolvidas por aqueles que pretendem elaborar o inédito.

Esses fatores são a chave.

Entre eles não há hierarquia. Eles, como uma orquestra, agem em sintonia.

O som que dela flui, como o inédito na vida, suscita a leveza da alma.

O inédito não é uma ideia que vai brotar no meio do banho, até pode existir nesse momento, mas ele faz parte de um processo maior.

Os fatores do inédito, precisam fluir cada um em seu exato momento. Quando esses momentos são simultâneos, o que é frequente, formam a melodia da plenitude da vida.

As sensações que sinto quando conjugo aqueles fatores resumo nas seguintes palavras: paz de espírito.

Algo que está no cerne da minha matriz de valores. Sob hipótese alguma é negociável. É a fonte para plenitude.

Características da vida Plena:

1a. Paradoxo: “A vida é um mistério, não perca tempo tentando entende-la.”

2a. Humor: “Tenha senso de humor sempre, principalmente quando as coisas derem erradas.”

3a. Mudança: “Nada é para sempre.”

Antes de falarmos sobre os fatores é mister entender que eles não são estáticos visto que a pessoa não é determinada, ela está determinada, não é positiva, mas está positiva.

Essa ressalva tem por objeto reforçar que o inédito é um processo vivo. Necessita ser alimentado todos os dias.


O 1º. Fator - Determinação

Sempre aceitei que a determinação era a chave do sucesso de uma pessoa.

Dependendo do modelo mental de ‘sucesso,’ pode ser realmente o fator mais determinante.

Aqui fica uma pergunta: “O que é Sucesso para você?”

No processo do inédito, entender o modelo mental de sucesso é um passo decisivo.

O paradoxo é que a determinação sozinha pode ser a fonte de sua decepção como tentar escutar uma sinfonia tocada apenas por um instrumento.

Muitas pessoas conseguem ter uma visão exata de onde querem chegar e chegam com muita determinação.

Deixo as seguintes perguntas para reflexão:

“A que preço você chegou onde está?”

“Quantos relacionamentos pagaram um preço alto pela sua jornada?”

“Como você classificaria sua relação com seus filhos?”

“Você é feliz?”

Recentemente um grupo de pesquisadores americanos fizeram uma pesquisa com 98 CEO’s de grandes empresas.

O objetivo da pesquisa era avaliar se o que estavam vivendo era o que tinham planejado para suas vidas e inicialmente todos responderam que sim.

Quando a pesquisa partiu para segunda etapa as coisas mudaram, a pergunta agora era a que preço chegaram onde chegaram?

As perguntas trouxeram reflexões sobre valores, família, relacionamentos e filhos.

O percentual de entrevistados que desabaram durante as reflexões foi elevadíssimo.

A pesquisa apontou que a maioria que realiza sua visão profissional não percebe o preço.

Isso acontece porque não houve equilíbrio entre os 7 fatores, determinação é força, garra e coragem, mas é na disciplina que está a estratégia e a inteligência de chegar ao topo feliz.


O 2º. Fator - Positivismo

As coisas ruins são feitas de velcro e as boas de teflon, ou seja, a ruins grudam em sua mente e as boas passam muitas das vezes despercebidas.

Fomos educados para ver partes dos sistemas que envolvem a vida.

Nosso pensamento é cartesiano, habituado a avaliar partes, daí a dificuldade de pensar sistemicamente.

Precisa se de condicionar o cérebro ao positivo, assim como condiciona o corpo. Se deixar a mente fluir livremente ela manterá o hábito de ressaltar o negativo.

Costumo sugerir duas pequenas ações com o intuito de reforçar o positivo em seu inconsciente:

1a. Ação – Diário Positivo: No fim do dia, antes de deitar, escreva em um caderno reservado para este fim três coisas boas que aconteceram no seu dia.

A qualidade do tempo neste momento fará toda a diferença. Reserve um momento só seu, sem nenhuma chance de inputs ou interrupção.

Este exercício precisa ser feito em ‘Metapensamento, ou seja, você precisa pensar sobre o pensamento.

Por que você escolheu este momento X?

Lembre-se dos detalhes dos detalhes.

Busque sentir novamente todas as sensações daquele momento.

2a. Ação: Depois relacione pelo menos uma pessoa que fez parte desses momentos ou que veio em sua mente enquanto fazia este exercício, pode ser alguém que simplesmente veio com carinho em sua mente.

Mande uma mensagem positiva para elas, pense algo muito positivo para a vida delas.


3º. Fator - Controle

Esta característica é um paradoxo, ela deverá estar presente na vida, no inconsciente.

A única coisa que, realmente pode controlar é a mente.

Qualquer outro controle é ilusório e traz sofrimento.

Temos dez (10) estados de vida intrapessoais, sendo (4) quatro baixos.

O segundo estado mais baixo é o ‘Estado de Desejo’ e o pior desejo que leva as pessoas a este estado é desejo de controle.

Entenda que ‘controle’ sobre coisas externas ninguém tem e nunca terá, portanto ninguém estará abrindo mão de nada real, e sim de ilusão.

As pessoas estão sempre sofrendo, primeiro para ter e depois para manter, reféns na busca de controlar a vida, delas e de terceiros.

Tudo o que precisa já está dentro de você e está ao seu alcance, as pessoas insistem para que acredite nas verdades dela, controle, não querem que busque as suas próprias.

As pessoas que dominam este fator são aquelas que perceberam que qualquer coisa externa não está em sob controle, é ilusão, filhos, cônjuge, o humor e perfil do chefe imediato, o trânsito, a crise do país.

O MIDE tem o propósito de elevar as pessoas ao 9o. Estado – Entrega, onde as pessoas que o atingem percebem que não controlam o externo, mas podem controlar o agir e isso envolve equilíbrio.

Quando dominamos o fator ‘Controle’ passamos a ver desafios e não mais problemas e entendemos que os desafios é que trazem o prazer da escalada.

O prazer tem que estar na jornada e não na chegada apenas.


O 4º. Fator - Disciplina

Se na determinação encontra-se a força, na disciplina encontra-se a estratégia e a inteligência.

Não se deve confundir esses dois fatores: a determinação é a capacidade de cair e levantar, sacudir a poeira e seguir em frente. É sua força.

A disciplina dá estrutura ao inédito; por meio dela se desenvolve a sabedoria.

Para se ter uma ideia da importância dessa característica cito uma pesquisa de Harvard, que compara década a década o volume de informações produzidas pela humanidade.

Cientistas acreditam que na década de 90 a informação levou uma década para dobrar; hoje, eles acreditam que ela dobra a cada 48 horas.

Não se pode alimentar a ilusão de saber de tudo em uma área específica, precisa-se, simplesmente, focar na disciplina de buscar diariamente um crescimento.

Outros fatores dependem desse entendimento, principalmente o último, a Criatividade.

Ao falar em condicionar o cérebro e trabalhar a mente, refiro-me a essa característica especificamente.

Assim como condicionamos o corpo podemos condicionar a mente, separe um espaço, de preferência um horário fixo, para leitura e estruturação do conteúdo estudado.

A ‘Mente Disciplinada’ é aquela que entendeu que deve fazer isso todos os dias e seu cérebro no horário estabelecido estará ávido pelo saber, pois estará condicionado e sua ‘Atenção Seletiva’ atinge seu pico no horário estabelecido.


5º. Fator - Presença

A genialidade deste fator é entender que ele também é um paradoxo.

Presença é o ápice da ausência. Estar presente é estar ausente de tudo que não se refira ao momento, o agora.

Quando desenvolvemos este fator, nos abrimos aos níveis superiores de escuta.

Os seres humanos possuem três níveis de escutas:

Nível 1 – Fragmentada: enquanto a outra pessoa fala estou pensando, com o foco todo em mim, o que importa é o que está sendo dito significa para mim e a comunicação fica cheia de lacunas.

Pesquisas revelam que 96% da humanidade se comunica assim, isto explica porque as empresas costumam sinalizar que o problema o seu maior problema é a comunicação.

Nível 2 – Conectada: o foco está 100% na outra pessoa, é o lugar da empatia, esclarecimento e da colaboração. Você está desapegado de seu ego, de sua agenda de interesses, de seus pensamentos e opiniões.

Você ouve as palavras do interlocutor, suas expressões, emoções, tudo o que ele traz para interação. Observa o que outro diz e como diz. E percebe também o que ele não diz.

Você não somente ouve a pessoa falar, mas também tudo o que chega na forma de informação – o tom, o ritmo e os sentimentos expressos.

Costumo chamar de conexão via cabo, como se duas pessoas estivessem conectadas.

Nível 3 – Cósmica: é uma comunicação verbal, não verbal e sensorial.

A importância do que é dito e do que não é dito assumem o mesmo patamar de importância.

Uma pessoa percebe a vibração da outra, há uma ligação intuitiva, cada palavra traz um sentimento, é a verdadeira comunicação.

As pessoas se abrem quando sabem que estão sendo realmente ouvidas, elas se expandem, assumem uma presença mais ampla.

Também se sentem segura e protegida, o que faz a confiança aumentar.

Por isso a escuta é fundamental na melhora de relacionamento e no processo de feedback.

Pesquisas revelam que a ausência da verdadeira escuta é especialmente prevalente no trabalho.

Sob a pressão de ver uma tarefa realizada , ouvimos o mínimo necessário para podermos seguir para próxima tarefa e as pessoas se sentem meras peças de uma máquina giratória e não seres humanos quando o assunto é trabalho.

Presença traz conceitos usados a milênios pelos povos orientais e muito em voga, atualmente, por diversas ciências, como o “mindfulness”.

Refiro-me a ‘Atenção Seletiva’; estar focado em uma coisa de cada vez, principalmente quando estiver pensando.

A presença é a característica que traz para o processo a metaconsciência e o metapensamento. Fundamentos básicos para o inédito.

Presença: estar presente, é a recomendação basilar a todos as pessoas, quer sejam estudiosos, pesquisadores, ou simples pensadores.

Estar presente por inteiro no agora, no que se faz no exato momento com atenção concentrada a cada detalhe do aqui agora.


Martin Cadee e o autor

Ao entrevistar Martin Cadee, holandês criador da escola revolucionária Knowmads em Amsterdã, falou-me que chegou ao ápice da experiência quando passou sete (7) dias sozinho; isolado no deserto de Mojave na Califórnia - EUA, sem papel; lápis; relógio: telefone: livros, ou seja, sem nenhuma distração fora a própria mente.

Conheço bem o deserto de Mojave, mais precisamente no Vale da Morte, de todas as experiências que conheci sobre presença, essa foi a mais radical. É considerado um dos locais mais inóspitos da terra, muitas vezes usado pela NASA para treinar seus astronautas.

Ele relatou-me que o dia mais difícil, foi o terceiro. Entrou em pânico acreditando que não havia se preparado corretamente para viver aquela experiência.

Todavia, na noite do terceiro para o quarto dia sentiu algo impossível de explicar: uma conexão fortíssima com algo superior que, na opinião dele, é o grande espírito da natureza, já mencionado pelos índios.


O 6º. FATOR - FLUXO

O fluxo é um estado de plenitude que se atinge. Como definido pelo psicólogo e professor da universidade de Chicago – O húngaro Mihaly Czenckmihaly.

Muitas vezes confundido com devaneio, ambos nos remete ao sentimento de prazer, mas o fluxo ocorre quando dois elementos chegam ao ápice: prazer extremo com desafio extremo.

Sensação de estar apto para realizar a tarefa que traz prazer extremo.

O devaneio não tem qualquer relação com o desafio, apenas com o prazer.

Para facilitar o entendimento: o hobby, normalmente, está relacionado ao devaneio e o inédito ao fluxo.


Mihaly Csikszentmihalyi

TEORIA DO FLUXO

Mihaly Csikszentmihalyi decidiu desenvolver um estudo com o intuito de responder a duas perguntas simultaneamente: “Por que é tão difícil ser feliz?” e “Qual é o significado da vida?”.

Assim nascia The Flow teory (Teoria do Fluxo). O estudo tinha como objetivo descobrir quais elementos contribuíam para trazer uma vida feliz.

Seus estudos percorreram arte, religião, filosofia e a psicologia, onde ele encontrou a ferramenta ideal para responder a sua pergunta.

A pesquisa reforçou a teoria que defende, de que salário é um fator desmotivador e não motivador. Riqueza não traz felicidade.

Mihaly desenvolveu uma pesquisa, por 40 anos, com base na pirâmide de Meslow e concluiu que, acima de um determinado ganho salarial, não havia ganho de felicidade.

A pesquisa apontou que a maioria das pessoas muito felizes atingiu esse estado com 30% do salário atual, de U$ 6.000,00 .

Se riqueza não é o que gera felicidade plena, onde estaria o segredo? Qual seria segredo por trás da motivação real que faz as pessoas continuarem a trabalhar a vida inteira quando fama e fortuna não fazem mais sentido?

Ele fez esta pergunta a diferentes artistas e cientistas. Criou uma metodologia para que as pessoas 10 vezes por dia registrassem o que estavam fazendo e como se sentiam.

A partir dos resultados dessa pesquisa, Mihaly e sua equipe descobriram um grupo de “atividades ótimas” ou estado de “flow”.


O QUE É ESTADO DE FLUXO?

Percebido em um músico:

“Você fica em um estado de êxtase de tal modo que sente que nem sequer existe mais. Eu vivi isso várias vezes. Minha mão parece mover-se independentemente do meu corpo e eu não tenho a menor interferência no processo. Eu apenas fico lá, assistindo em fascínio. E a música apenas flui.”

Percebido em um poeta:

“É como abrir uma porta que estava flutuando no meio do nada e a única coisa que você precisa fazer é abrir e se permitir mergulhar no que existe adiante. Você não pode se forçar a passar por ela. Você simplesmente precisa flutuar. Se existe algum tipo de força gravitacional, é do mundo de fora que tenta manter você do lado de fora”.

Percebido em uma bailarina:

“Foi simplesmente um desses programas que ‘clicou’. Quer dizer, tudo estava perfeito, tudo era bom. É uma adrenalina, como se você pudesse tocar adiante, como se nunca quisesse parar, pois está mandando muito bem. É praticamente como se não precisasse pensar, é como se tudo estivesse indo de forma automática, sem pensar. É como se estivesse num piloto automático, você não tem pensamentos. Você ouve a música, mas não está consciente de ouvi-la, pois faz parte de tudo isso que está acontecendo”.

Percebido em uma empresária:

Anita Roddick, fundadora da The Body Shop, recomenda: “Procure pela sua paixão. O que te deixa excitado? O que te dá tesão? Procure empresas de que você realmente gosta, realmente admira. O que você admira sobre elas? Se puder, faça um programa de estágio lá ou bata na porta e pergunte se você pode trabalhar lá sem exigir um salário alto.

Se puder, encontre organizações que mexem com seu espírito. Trabalhe ao lado deles e divirta-se. Tem tanta coisa boa para aproveitar.”


ESTADO DE FLUXO

Quando estamos realmente envolvidos em um processo completamente engajado de FLUXO, nosso sistema nervoso não tem muita capacidade de monitorar como o corpo está se sentindo, se está com fome, cansado ou mesmo pensar em seus problemas mundanos de casa e burocracias.

Assim, a existência é suspensa temporariamente.

Depois de um patamar, você só encontrará a felicidade em algo que faça sentido na sua vida.

COMO O ESTADO DE FLUXO É ATINGIDO?

Nas pesquisas de Mihaly entrevistando alpinistas, monges, pastores e uma variedade enorme de pessoas com diferentes níveis de educação e cultura, ele descobriu elementos comuns que indicam o que é estar no estado de fluxo:

Completamente envolvido no que se está fazendo, com foco e concentração. Um sentimento de êxtase, de estar fora da realidade do dia a dia.

Uma maior claridade interna, sabendo o que deve ser feito e quão bem estamos fazendo o que deve ser feito. Temos feedback imediato.

Saber que a atividade é possível, que nossas habilidades são adequadas para a tarefa.

Um sentimento de serenidade, sem preocupações, e um sentimento de estar crescendo além dos limites do ego.

Uma ideia de estar além da dimensão temporal, totalmente focado no momento presente. As horas parecem passar como se fossem minutos.

Motivação intrínseca, seja qual for o elemento que produz o fluxo, é a nossa própria recompensa.


O SEGREDO DO FLUXO

O SEGREDO DO FLUXO ESTÁ NO EQUILÍBRIO EXATO DO DESAFIO LIMITE E O DESAFIO LIMITE PARA EXECUTAR O TRABALHO PROPOSTO.

Cada pessoa encontra o FLUXO quando está fazendo aquilo de que realmente gosta.

Quando temos controle, temos um bom domínio do que estamos fazendo, mas não nos sentimos muito desafiados. A APATIA é o ponto mais negativo de todos.

Assistir à televisão, usar de entorpecentes e dormir não são atividades que geram prazer?

Apesar de serem prazerosas, elas não geram desafio, essas atividades de puro prazer que exigem pouca habilidade nos levam ao relaxamento, ao tédio ou, pior, à APATIA.

As pesquisas comprovaram que o estado de FLUXO é CAÓRDICO.

Ele o leva ao caos no sentido de criativo e ordem nos princípios, tudo isso gera equilíbrio.

Mihaly defende que nós, humanos, prezamos a organização. Essa constatação é peça fundamental da teoria de fluxo: a satisfação humana está no processo de trazer ordem e controle para nossas vidas, sem limitar o criativo.

Mihaly afirma, com a teoria, que, a cada momento que superamos nossos desafios, evoluímos e adquirimos maior complexidade, ficando prontos para desafios maiores. É uma espiral virtuosa.

Continuando esse processo, estamos na rota de tornarmo-nos indivíduos extraordinários. Assim, as oportunidades que permitem atingir o fluxo são viciantes: sem elas, a vida seria chata, sem sentido ou cheia de ansiedade.

Para Mihaly, a felicidade pode ser aumentada ao fazermos aquilo que amamos, que ele define como “VIVER UMA VIDA PLENA”.


7º. Fator - Criatividade

As mais recentes pesquisas sobre criatividade mostram que ela não é um traço da personalidade e muito menos um indicador de inteligência.

A criatividade é um processo e pode ser desenvolvida por qualquer pessoa e em qualquer idade.

Para terminar quero falar de um estudo que pode contribuir muito com a 1o. Característica, a determinação.

Como expliquei, o inédito é algo que vai crescendo e se transformando todos os dias, não tem fim, e por isso classifico-o como um processo e não um fato isolado.

Nesses dois últimos anos tenho trabalhado com diversas pessoas ou grupos no suporte ao desenvolvimento do inédito.

Sem a menor dúvida afirmo que o sabotador e a VDA – Voz de autocensura são os dois maiores desafios que todos enfrentamos.

Existe outro grande desafio que é manter o sigilo. As pessoas sentem uma necessidade inexplicável de pedir a opinião dos outros.

Jogam seus pensamentos aos quatro ventos de forma indiscriminada.

O que não percebem é que ao fazerem isso, trazem ao processo os sabotadores e as VDA’s dos outros. Como se não fosse problema vencer as nossas.

Para entender como é importante ser seletivo ao decidir quem será o contraponto ou o mentor no processo do inédito, veja o resultado de uma pesquisa sobre o comportamento das pessoas em relação ao novo, Veja e conclua como é inútil dividir seus sonhos:

Ao realizar algo, realmente, novo a chance de alguém lhe dar ouvidos é de 3,34%. São os entusiastas, pessoas que gostam do novo por natureza, não se preocupam muito com o tempo que dedicam a conhecer coisas novas. São abertas e, normalmente, não estão dispostas a investir mais do que o tempo.

Os entusiastas são os precursores, são eles que chamam ou afastam o segundo grupo, os visionários, que representam 15% de uma comunidade. São os verdadeiros revolucionários, dispostos a romper com o passado e começar um futuro inteiramente novo.

Depois temos os pragmáticos, 33,33% de uma comunidade, pessoas que acabarão formando o grosso do inédito. Acreditam na evolução e não na revolução. Mostram-se neutros quanto ao novo e procuram adotar inovações somente após um histórico comprovado.

O segundo grande grupo, os conservadores, 33,33% de uma comunidade. São pessimistas quanto ao novo e só adotam sob pressão.

Por último temos os céticos, 15% de uma comunidade. Não contem com eles, são combatente ferrenhos do novo.

Então, devemos entender que no inicio a chance de alguém tentar entender o que você está pensando é de 3,34%, mas infelizmente e inexplicavelmente as pessoas quando começam algo novo costumam dividir com todos no caminho e inundam a mente de sabotadores.

É preciso entender que ninguém é criativo, as pessoas são criativas em X, ou seja, naquilo que dominam.

Você só poderá criar em cima de algo que domina, o seu X. Por isso citei que este fator está totalmente relacionado ao fator disciplina e consequentemente é determinante na criação do inédito.

E por fim, devemos trabalhar os sete ( 7) fatores pelas seis (6) mentes para o futuro: sistêmica, disciplinada, sintetizadora, criadora, respeitosa e ética, seguindo a teoria do ‘Espírito Criativo’.


130 visualizações

Endereço: SMPW quadra 16, conjunto 04 - Parkway -

Brasília / DF - Brasil.

CEP 71.741-604