Buscar

10 ESTADOS INTRAPESSOAIS DE VIDA



Entender o conceito dos 10 estados intrapessoais de vida é mergulhar na raiz da inteligência lógica-emocional, é enxergar o mundo por um novo prisma.

Já citei em outros artigos que as filosofias orientais influenciaram muito o método MIDE – Múltiplas Inteligências & Desenvolvimento Emocional.

O método é fusão de saberes de renomados estudiosos da psicologia cognitiva e pensadores ocidentais, com filosofias milenares nascidas em países como: Índia; China e Japão, em especial a este último.

O MIDE tem no seu cerne conceitos da filosofia Oriental, em simbiose com a inteligência emocional objetivando a completude da inteligência lógica-emocional.

São conceitos forjados por volta de 600 D.C. e , até hoje , exercem influência nas principais culturas ocidentais.

Conceitos que atravessaram séculos, imaculados graças à solidez de suas sapiências.


A INTELIGÊNCIA LÓGICA-EMOCIONAL e o ORIENTE

Por diversas vezes comentei a respeito da influência da “Cultura Oriental” sobre o método MIDE – Múltiplas inteligências & Desenvolvimento Emocional.

Aqui, quero dar ênfase, ao impacto dessa influência na concepção da inteligência lógica-emocional.

Estudando o pensamento emocional, na ótica do oriente, senti que aqueles saberes dariam mais densidade aos conceitos ora estudados no ocidente.

Ato contínuo, iniciei viagem no tempo, precisamente 600 A.C. na Índia onde encontrei o mais antigo registro sobre o pensamento emocional.

Ali, um príncipe chamado Sidarta Gautama incomodado com o absurdo da desigualdade social, abandonou seu reino e foi viver na rua, queria compreender as razões de tanto sofrimentos.

Esse príncipe tornou se um sábio pensador e seus ensinamentos, graças aos mercadores da rota da seda, se espalharam por toda a Ásia.

Confúcio (551 A.C. – 479 A.C. ) notável pensador chinês dedicou parte de sua vida ao estudo do equilíbrio emocional.

Tient’ai, filosofo chinês, fundamentado em estudos vindos da índia, formulou avançados conceitos sobre o emocional.

Este mestre chinês, entre outras contribuições, criou os conceitos sobre o emocional, conceitos estes que até hoje influenciam toda a Ásia. Também a ele devemos os 10 estados intrapessoais de vida.


O PEQUENO GRANDE SÁBIO

O Japão, foi berço do pensamento emocional.

Lá encontrei, nas palavras de Nitiren (1.222 D.C. - 1.282 D.C.), o que chamo de ciência da vida, a verdadeira sabedoria de se viver uma vida plena ou viver uma vida em plenitude.

Abandonou sua casa aos 12 anos para viver em um mosteiro estudando os ensinamentos em sua origem e seus estudos impactaram o mundo inteiro.

A esta altura, depois de muito estudar os pensadores precursores orientais e do ocidente, conclui que para otimizar a teoria a que me propunha teorizar ---o Emocional ---- era imperativo mesclar os saberes dos dois hemisférios: Oriente e Ocidente.

Dediquei o tempo necessário às ciências e filosofias orientais e ocidentais.

Conclui que tudo se encaixava plenamente.

Desde o início dos estudos tive certeza que as teorias ocidentais em que me baseava estavam impregnadas desses pensamentos orientais.

Facilmente entendi, por exemplo, porque a teoria das Múltiplas inteligências deu tão certo em países do oriente.

Lá, já pensava de forma sistêmica como requer a teoria.


O QUE É UM ESTADO DE VIDA?

Como o próprio nome diz, ´Estado´ representa o momento, o agora, uma foto da pessoa no exato momento.

Este ponto parece óbvio, todavia é comum pessoas buscarem ser felizes e alegres o tempo todo.

Ninguém é feliz, pessoas estão felizes, ninguém é alegre, pessoas estão alegres.

É preciso entender que os estados podem variar no decorrer de minutos, horas ou dias, dificilmente alguém permanece o dia todo em um mesmo estado.

O método MIDE propõe elevar o estado de vida, de quem o pratica, ao nono Estado Intrapessoal de vida e mantê-lo o maior tempo possível.

Trabalho com meus alunos a prática de perceber quando deixam um estado elevado de vida, em questão de segundos, assumirem o comando de suas mentes voltando ao estado de origem.


QUAIS SÃO OS 10 ESTADOS INTRAPESSOAIS DE VIDA?

O conceito utilizado no MIDE recebeu adaptações voltadas para inteligência lógica-emocional, nomes e tradução diferentes dos usados no oriente.

Existem 4 estados baixos de vida, marcados pelo sofrimento e pela irracionalidade, são eles: Escuridão, Desejo, Animalidade e Ira.

Dois estados considerados inferiores de vida: Tranquilidade e Alegria.

No primeiro contato que tive com o conceito, fiquei surpreso ao constatar o quanto havia vivido em busca de um estado inferior de vida.

Esses estados são considerados inferiores porque são voláteis.

Não há sustentação sólida. Por isso, evaporam em uma única ação.

E por fim, 4 estados de vida elevados: Busca, Equilíbrio, Entrega e Iluminado.


OS 10 ESTADOS DE VIDA PRESENTES NOS 10 ESTADOS

A chave para o desenvolvimento de estados elevados, é nunca baixar a guarda do nosso estado de vida.

Independente do estado de vida que se encontra perceptível na sua vida, os outros 9 estados estarão latentes, prontos para se manifestarem.

Estar em um estado elevado de vida significa estar em estado de alerta, completamente voltado para seu interior, blindado de qualquer fator externo.

No MIDE aprendemos que mais importante que estar em um estado elevado, é conseguir voltar ao mesmo estado quando houver uma recaída.

Acredite, elas acontecerão.

Permanecer em estado elevado exige mais do que atenção.

Exige entender o funcionamento da mente em cada estado.

Como os modelos mentais os influenciam e principalmente a relação direta do conceito com a disciplina do ´Pensamento Sistêmico´.


FATORES EXTERNOS E FATORES INTERNOS

O tesouro mais valioso oculto no conceito dos 10 estados intrapessoais de vida é que o estado elevado depende de cada um.

Ninguém precisa de ninguém ou de nada para estar em um estado elevado de vida.

Ao aprofundar neste conceito percebi o quanto nossas vidas são marcadas pelo sofrimento, principalmente pelo desejo ávido de controle.

O ´Controle´ é peça chave da inteligência lógica-emocional.

Entender que ele é algo que você nunca teve e nunca terá eliminará uma série de sofrimentos e peso na sua vida.

Os seis primeiros estados de vida, os 4 baixos e os dois inferiores, estão diretamente relacionados ao mundo externo e por isso longe do seu ´Controle´.

O MIDE solicita as pessoas abrirem mão de algo que nunca tiveram e nunca terão: Controle.

Os estados elevados estão relacionados ao nosso interior.

Não estão sujeitos a interferências externas.

Depende apenas do desenvolvimento da inteligência lógica-emocional e do uso da mente, ambos trabalhados no MIDE.


ESTADO INTRAPESSOAL DA ESCURIDÃO

O Estado mais baixo de vida, marcado pelo ódio, raiva e destruição.

Dei este nome a ele porque pessoas que neste estado não enxergam muito sentido na vida, não percebem mais as cores do mundo.

Há nelas um desespero pela incapacidade de se mover, como se estivesse com os pés e mãos amarradas, uma sensação de estar sufocada.

Uma característica deste estado é a destruição da própria vida e a de todas pessoas em sua volta por não verem sentido na vida.

O medo e a ansiedade oriundos da desconfiança, marcam este estado de vida.

Pessoas presentes nele não acreditam em ninguém e por isso vivem em uma ansiedade crônica pelo medo de serem traídas.

Pessoas no estado da ´Escuridão´ possuem ódio no coração, são coléricas e não conseguem conviver com nenhum tipo de frustração.

Sempre irão procurar culpados para qualquer coisa que aconteça fora do planejado.

A mágoa neste estado é irracional, culpam uma empresa, uma sociedade ou mesmo um governo pelas suas frustrações e se alimentam desse ódio.

Pessoas neste estado são inconscientes, não tem percepção da realidade de seu estado emocional.

Percebem a realidade distorcida, geralmente sempre na defensiva.

Acham-se vítimas, injustiçadas.

Estão na escuridão.

Pessoas neste estado requerem um tratamento diferenciado. Requerem compaixão.


ESTADO INTRAPESSOAL DO DESEJO

Este é o segundo mais baixo estado de vida. Também inconsciente.

É o mais comum nas pessoas que vivem no ocidente, reféns do desejo, principalmente, pelo desejo de controle.

O homem é predisposto ao controle. É da natureza humana. Esta é a raiz de quase todos nossos sofrimentos.

O estado de desejo se caracteriza pela avareza, mesquinhez e ganância.

Caracterizado pela ‘Fome’ do ter, apego material, poder, fama e principalmente o ‘Desejo’ pelo controle.

No MIDE usa-se o ‘Metapensamento’ -- pensar sobre o que se pensa ---- para identificar o ‘Controle’ mascarado em valores como: confiança, reconhecimento, romance, afeto, cuidado, segurança.

Fomos criados, formados, educados e direcionados para a ilusão do controle, de fato só se controla a mente, o eu interior.

Qualquer forma de controle externa é ilusão.

As pessoas nesse estado ficam à deriva dos seus desejos e por ser um estado inconsciente da mente, tornam-se reféns de seus próprios desejos.

O sentimento de posse impede o desenvolvimento do ‘Eu’ interior, restringe a liberdade interior e com isso carrega-se muito sofrimento.

Diferente do estado de escuridão, as pessoas no estado de desejo possuem energia vital, mesmo que limitada, pois ela é quase toda consumida pelo sofrimento do ter e pela frustração. Marca invariável deste estado de vida.


ESTADO INTRAPESSOAL DA ANIMALIDADE

As pessoas neste estado vivem guiadas pelos seus extintos. Buscam apenas o prazer do agora, assim como os animais.

A estupidez marcada pela falta de discernimento é a marca deste estado de vida.

Não conseguem elaborar um pensamento racional de médio e longo prazo, não medem consequências, a não ser as de curtíssimo prazo.

A brutalidade também marca este estado de vida.

Como não percebem efeito de médio e longo prazo vão passando por cima de princípios e valores de todos em sua volta.

Agem com a lógica dos animais que desconhecem a lei da causa / efeito.

Há pouco discernimento entre o certo / errado e bem / mal.

Fazem valer a sua satisfação do momento.

Outra característica desse estado: as pessoas que vivem nele usam a lógica animal de bajular os mais fortes e pisar nos mais fracos, usando a ‘Lógica do Poder’.


ESTADO INTRAPESSOAL DA IRA

É o único estado intrapessoal de vida que há consciência plena dos atos.

O ódio é a marca comum dos quatro estados baixos de vida, a diferença em cada um deles está em como as pessoas direcionam seu ódio.

No estado de vida intrapessoal da ‘Escuridão’ o ódio é direcionado para si mesmo.

No estado de ‘Desejo’ é direcionado para tudo ou todos que impedem a realização de seus desejos.

No estado de vida intrapessoal da ‘Animalidade’ as pessoas usam o ódio para satisfazer seus instintos com completa ausência de autocontrole.

Já no estado intrapessoal da ‘Ira’ o ódio é direcionado para as pessoas que ameaçam o status quo do indivíduo, revelando suas reais intenções.

A vaidade, orgulho, perversidade e traição marcam esse estado, são pessoas que dissimulam suas reais intenções, manipulam pessoas, fingem lealdade para conseguirem o que querem.

Estado característico dos bajuladores e dos falsos humildes, agem assim com segundas intenções.

Pessoas “puxa-saco” e arrogantes vivem em um estado de ira.

Julgam-se melhor do que as outras e se revelam falsos em suas relações.

Outra característica de pessoas neste estado é o ódio pela própria incapacidade.

Sentem ódio das pessoas que são capazes de realizar algo que eles não conseguem, e sendo assim, desdenham do sucesso alheio.


ESTADO INTRAPESSOAL DA TRANQUILIDADE

Foi difícil entender que esse estado é considerado como estado inferior de vida.

Todos nós buscamos, incansavelmente, esse estado de vida e nos sentimos muito bem quando estamos nele.

Ele é considerado um estado inferior de vida porque não há sustentação, não há equilíbrio presente e quando alguma coisa sai errado, ele evapora.

No mundo em que vivemos recebemos inputs a todo momento e neste estado de vida, ficamos vulneráveis.

A tranquilidade sem o equilíbrio estará sempre direcionada aos estados baixos de vida: ao ódio.

Quantas vezes presenciamos pessoas que saem de total tranquilidade ao ódio em segundos.


ESTADO INTRAPESSOAL DA ALEGRIA

Este estado de vida segue o mesmo raciocínio do de tranquilidade, ou seja, é volátil e não se sustenta.

Tanto os estados de vida baixos, como os dois inferiores, estão relacionados com o mundo externo, dependem de algo ou alguém para se manifestarem.

O foco está na relação do ser como o meio ambiente.


ESTADO INTRAPESSOAL DA BUSCA

As pessoas nesse estado sentem a necessidade de uma busca interior.

Há percepção que tudo externo é volátil e fugaz, e que a verdadeira felicidade está no interior.

No MIDE ensina que este estado de vida é da “Autoconsciência”, o primeiro passo na direção do verdadeiro equilíbrio e da felicidade sólida.

Quando iniciei meus estudos enfrentei alguma dificuldade com as teorias que eram subjetivas e pouco tangíveis.

Ao elaborar o MIDE procurei tangibilizar a inteligência lógica-emocional, tirando a do campo de autoajuda e materializando-a a todos que se predisponha a estuda-la.

O MIDE traz 24 indicadores intrapessoais para o verdadeiro desenvolvimento da inteligência lógica-emocional.

Nesse estado defendo que inicia-se apenas a consciência, ainda não há presença de uma ação de mudança.


ESTADO INTRAPESSOAL DE PLENITUDE

Como o próprio nome diz, esse estado é marcado pela sensação de estar pleno, em equilíbrio.

As pessoas nesse estado estão voltadas completamente para seu interior.

Perceberam a verdadeira felicidade no seu eu interior.

Além da ‘Autoconsciência’ que marca o estado de busca, agora as pessoas nesse estado adquirem ‘Autogestão’, conseguem perceber a ação dos indicadores em si e nos outros.

Há uma forte presença do ‘Metapensamento’, consciência do que pensam e suas atitudes são voltadas para a busca do equilíbrio interno.

Pelo alto grau de consciência as pessoas vivem em estado de alerta, evitando os estados baixos de vida.

Sentiria realizado se o MIDE levasse todos a esse estado de vida, mas ainda haveria o risco delas se tornarem prepotentes.

Notariam seu equilíbrio e ao mesmo tempo o desequilíbrio dos outros com muita facilidade.

Não haveria uma ação pelo bem comum.


ESTADO INTRAPESSOAL DE ENTREGA

Se no estado de busca surge ‘Autoconsciência’ e no estado de plenitude surge ‘Autogestão’, neste estado surge a ‘Autorregulação’.

Levar as pessoas a este estado é o propósito do MIDE.

Nesse estado as pessoas já possuem consciência de todos os indicadores da inteligência lógica-emocional, autoconsciência.

Percebem esses indicadores em ação em si e nos outros: autogestão.

Por fim, agem em prol do bem comum priorizando o coletivo: autorregulação.

A frase que uso para marcar este estado é: “O sábio AGE, e o tolo REAGE.”

Quando reagimos não há entrega. Só a ação gera mudança e nos afasta dos estado baixos de vida.

Pessoas no estado de entrega percebem que não há como ser feliz sozinhos e não se sentem bem com o sofrimento das pessoas em sua volta.

Estão dispostas a se entregar para ajudar outras pessoas a encontrarem seu caminho, sem vaidade e sem arrogância, de forma desprendida.

Lutam, incansavelmente, para ajudar as pessoas que se encontram em um dos estados baixos de vida.

A coragem é a marca das pessoas que atingiram este estado de vida.


ESTADO INTRAPESSOAL DE ILUMINAÇÃO

Enquanto no estado de vida da entrega a pessoa se beneficia do bem que gera trabalhando o mundo em sua volta, nesse estado as pessoas ajudam as outras sem nenhum benefício próprio.

Não há nenhum ganho pessoal, ajudam apenas por amor a todas as formas de vida.

Seria o ápice da consciência humana, o respeito pelo meio ambiente, animais, plantas e principalmente amor incondicional ao próximo.


196 visualizações

Endereço: SMPW quadra 16, conjunto 04 - Parkway -

Brasília / DF - Brasil.

CEP 71.741-604