A aprendizagem socioemocional na família

O desafio de educar uma criança do século XXI

Como você cria uma criança para ser mentalmente forte, decidida e resiliente nas águas agitadas do século XXI?

Até a década de 1990, os conceitos sofriam mudanças muito lentas e educar era uma atividade de repetir, com algumas adaptações, o que nossos pais nos ensinaram, na maioria das vezes, transmitindo às próximas gerações todas as crenças limitantes que herdamos de nossos pais, que, por sua vez, as herdaram de nossos avós e assim sucessivamente.

Na aprendizagem socioemocional (ASE), desenvolvemos habilidades e competências que nos permitem identificar, transformar, gerir e mudar comportamentos prejudiciais que herdamos e incorporamos de forma intrínseca a nossas vidas.

 

As cinco crenças limitantes que herdamos e estão registradas em nosso inconsciente, por trás de valores, conceitos, histórias, crenças e dogmas, são o medo, o apego, o reconhecimento, o controle e a culpa. 

Educar exige dos pais habilidades e competências socioemocionais que não foram ensinadas nos 15 a 20 anos que passaram em ambientes formais de ensino.

O fato é que não fomos preparados para educar crianças, muito menos frente às constantes mudanças que nos aguardam nestes próximos dez anos, entre 2020 e 2029. 

Às vezes, pensamos que a paternidade é mais um conjunto de estratégias e técnicas que usamos para moldar nossos filhos. Mas, no fundo, ser pai ou mãe é principalmente ter um relacionamento poderoso, com uma criança que se torna adolescente e depois adulta, que permita o desenvolvimento de ampla gama de habilidades não acadêmicas necessárias ao longo da vida.

 

Essas habilidades, essenciais para o sucesso na escola, no trabalho, no lar e na comunidade, fazem parte do processo da ASE pelo qual crianças e adultos:

  • entendem e gerenciam emoções;

  • estabelecem e alcançam objetivos positivos;

  • sentem e mostram empatia pelos outros;

  • estabelecem e mantêm relacionamentos positivos;

  • tomam decisões responsáveis.

Muitas pessoas podem ter esse tipo de "relacionamento de desenvolvimento" com crianças e jovens. Porém, mães e pais mantêm com os filhos um relacionamento central e poderoso, que normalmente começa antes do parto e continua por toda a vida.

Como são esses fortes relacionamentos familiares?


O que podemos fazer em nossa família, de maneira intencional e proativa, para garantir que nossos relacionamentos continuem positivos e poderosos à medida que nossos filhos crescem, mesmo que cada um de nós cresça e mude?


Existem cinco elementos – ou cinco chaves – nos relacionamentos que ajudam as crianças a crescer, aprender e prosperar. Eles são os que seguem.

  1. Expresse cuidado - Mostre-me que sou importante para você.

  2. Desafie o crescimento – Empurre-me para continuar melhorando.

  3. Forneça suporte – Ajude-me a concluir tarefas e alcançar metas.

  4. Compartilhe o poder – Trate-me com respeito e dê-me uma opinião.

  5. Expanda possibilidades – Conecte-me a pessoas e lugares que ampliem meu mundo.

 

 

Acreditamos no poder da educação para ensinar a não violência, promover a compreensão, dotar as pessoas de propósito e significado, e construir habilidades e comportamentos que podem criar um futuro mais inclusivo, saudável e positivo. Esse trabalho é vital – talvez agora mais do que nunca.

Expresse cuidado

O pior conselho para os pais que já ouvimos é este: quando crianças fazem algo errado, precisam ser punidas.

 

Em lugar de ser punidas, elas devem receber explicações. Então, quando violarem uma regra, é preciso dizer a elas o significado da sua ação.


As crianças são grandes pensadores sistêmicos, donos de habilidade nata que perdemos com a educação que recebemos em casa e na escola.

 

Assim, entendem perfeitamente a lei de causa e efeito, sendo muito mais propensas a refletir sobre o impacto final de seu comportamento nos outros.

 

Isso significa que, quando puderem ajudar outras pessoas, serão muito mais propensas a avançar.


Assim, o melhor conselho para os pais é mostrar às crianças que elas são importantes e que outras pessoas confiam nelas.

Desafie o crescimento

O crescimento desafiador se concentra nas maneiras pelas quais incentivamos, inspiramos ou influenciamos mutuamente a tentar coisas novas, assumir riscos, trabalhar em metas ou superar obstáculos e desafios.

 

Essas discussões podem ajudá-lo a pensar em como o crescimento desafiador funciona – ou não – em sua família.
Os relacionamentos são mais fortes quando os membros da família se desafiam para aprender e crescer.

 

Como seres humanos, "desafiar a nós mesmos e um ao outro faz parte da natureza humana".
Assumimos riscos e competimos. Gostamos de ser física e mentalmente estimulados.

 

O crescimento desafiador se concentra nas maneiras pelas quais as pessoas buscam trazer o melhor uma da outra. Todos nós precisamos de estímulos que nos levem a trabalhar duro para alcançar nossos objetivos.


Desafiamos nossos filhos a crescer empurrando-os para além do que é confortável, levantando perguntas e testando suas habilidades de maneiras exigentes, estimulantes e motivadoras. Assim, também os ajudamos a manter uma direção positiva, definindo limites apropriados.

Forneça suporte

Uma parte importante dos relacionamentos é fornecer apoio um ao outro no aprendizado e no crescimento.

 

Fazemos isso ajudando-nos a navegar em situações difíceis, construindo a confiança um do outro, advogando um pelo outro e estabelecendo limites um para o outro.

Todos precisam de outras pessoas para ajudá-los. 


Quando somos crianças, dependemos dos pais ou de outros adultos cuidadosos para nos alimentar, nos banhar e cuidar de nós de todas as maneiras.

 

À medida que crescemos, nossas necessidades de suporte mudam, mas elas não desaparecem.

Grande parte do trabalho da família é o de ajudar um ao outro quando necessário.

 

É mais provável que cresçamos e realizemos nossos objetivos quando sabemos que as pessoas da nossa família estão disponíveis para nos apoiar, ajudando-nos a lidar com situações difíceis, nos capacitando (em vez de assumir por nós), advogando por nós e estabelecendo limites que nos mantêm na direção certa.
 

Expanda possibilidades

Relações de desenvolvimento são conexões por meio das quais as crianças podem manifestar o máximo de suas potencialidades no decorrer da infância e da adolescência.

 

Os relacionamentos entre pais e filhos são de desenvolvimento particularmente poderoso – embora muitos outros relacionamentos sejam importantes e também poderosos.


Desde o nascimento, contamos um com o outro para nos mostrar o mundo além do que já sabemos.

 

Pessoas nos ensinam a andar, conversar, ler e cuidar de nós mesmos.
Por meio de nossos relacionamentos, aprendemos a respeitar, desfrutar e amar as pessoas, mesmo que diferentes de nós.

 

Também por meio dos relacionamentos ampliamos horizontes e descobrimos coisas sobre nós mesmos e o mundo que despertam nossa curiosidade e paixão, trazendo satisfação, alegria e prazer ao longo de nossas vidas.


“Expandir possibilidades” se concentra em como ajudamos uns aos outros a aprender e crescer, conectando-nos a pessoas, ideias, experiências e lugares de maneiras que nos ajudam a crescer e expandir nossos mundos, para que cada pessoa possa ser e se tornar o melhor de si.

Compartilhe o poder

Em uma pesquisa realizada com quase mil adultos, foi solicitado a pais adultos que refletissem sobre seu relacionamento com os filhos.

 

Muitos pais disseram que expressam cuidado, desafiam o crescimento e prestam apoio aos filhos.


Apenas 16% dos pais responderam que compartilham poder e expandem possibilidades. Ali está o ponto de alavancagem que torna a internet tão poderosa.


Os pais que não estiverem dispostos a compartilhar o poder e expandir as possibilidades verão os filhos fazer isso por conta própria, correndo um risco elevadíssimo. 


Quem será a referência encontrada do outro lado da tela?


Algumas pessoas ficam surpresas ao analisar o "compartilhamento do poder" como recurso central dos relacionamentos entre pais e filhos.

No entanto, as maneiras pelas quais as famílias lidam com as lutas pelo poder estão no coração das crianças que se tornam responsáveis, como os conflitos são resolvidos e a qualidade geral de nossos relacionamentos.


No fundo, “compartilhar poder” destaca as maneiras pelas quais influenciamos, aprendemos e trabalhamos juntos por meio de nossos relacionamentos. Desafiadora é a forma como o compartilhamento do poder muda constantemente à medida que as crianças crescem.


É emocionante descobrir coisas novas sobre nós mesmos quando compartilhamos poder e aprendemos um com o outro. Trabalhar juntos para manter esses relacionamentos fortes, flexíveis e resistentes à medida que cada pessoa cresce e muda mostra-se desafiador e oportuno. O método MIDE foi desenvolvido para ajudá-lo a fortalecer os relacionamentos em sua família, principalmente entre pais e filhos. 


Os pais millenium – aqueles que tiveram filhos a partir de 1990 – se perderam nesse processo. A internet levou o mundo para dentro de casa. Como referência, em 1990, a informação no mundo iria dobrar em uma década. Hoje, segundo estimativas feitas pela Universidade de Harvard, dobra a cada 48 horas.

 

Começava, silenciosamente, a 4ª Revolução Industrial:

Vídeo sobre a 4ª Revolução Industrial produzido pelo Fórum Econômico Mundial

ASE na primeira infância

A aprendizagem socioemocional (ASE) começa em casa.

 

O futuro de qualquer sociedade depende de sua capacidade de promover o desenvolvimento saudável da próxima geração.


Pais e a família em geral são parceiros críticos para ajudar uma criança a desenvolver conhecimentos socioemocionais.

 

Eles podem modelar os tipos de habilidades...

 

ASE na pré-adolescência

Criar um ambiente seguro e favorável para a aprendizagem socioemocional (ASE) deve ser prioridade para os pais.

 

Em uma abordagem sistêmica, essa fase é marcada pela inerente integração do lar com a escola em todos os aspectos socioemocionais.

 
As crianças, por muitas razões, incluindo diferentes estruturas familiares, múltiplas influências culturais...

 

ASE na adolescência

Essa fase, que vai dos 14 aos 20 anos e antecede a vida adulta, representa uma crise maior.

 

As modificações corporais da puberdade exigem constante adaptação.


A partir da adolescência, o jovem se torna responsável pelo seu destino. Nessa etapa, ele pode receber...

 

Estão roubando a adolescência dos nossos filhos

O Centro de Inteligência Emocional da Universidade de Yale está estudando a força de trabalho futura, e as perspectivas não são boas.

Adolescentes estão em apuros psicológicos.

Seu estresse está indo além do dos adultos, de acordo com um relatório recente.

 

O desafio de escolher uma carreira no século XXI

A próxima década promete uma revolução em larga escala em nossas vidas profissionais.

 

Antes de analisarmos os próximos 10 anos, vamos dar uma rápida olhada no presente - e em algo que já foi considerado paradoxal.

Já estamos vivendo a...

 

Como conciliar carreira e filhos com harmonia

Estamos passando pela fase de transição mais complexa da humanidade, que deve durar pelo menos até 2030.

As novas tecnologias não mexeram só com a estruturas dos lares, elas mexeram em todos os sistemas adjacentes à vida humana.


​Segundo pesquisa realizada pela Isma – Brasil, publicada pela revista EXAME, 72% dos brasileiros se dizem infelizes no trabalho...

 

A difícil tarefa de escolher a escola ideal

São frequentes os relatos de pais quanto à dificuldade para encontrar a escola ideal para os filhos.

Existem relatos de pais que trocaram os filhos três vezes de escola em dois anos ou cinco vezes em três anos.

Uma criança não se adaptar a uma determinada escola é normal, mas quando

 

Endereço: SMPW quadra 16, conjunto 04 - Parkway -

Brasília / DF - Brasil.

CEP 71.741-604