Buscar

Aprendizagem socioemocional (ASE) dos 9 aos 14 anos

Atualizado: Mar 25


Criar um ambiente seguro e favorável para a aprendizagem socioemocional – ASE – deve ser uma alta prioridade dos pais.

Em uma abordagem sistêmica, essa fase é marcada pela inerente integração do lar com a escola em todos os aspectos socioemocionais.

As crianças, por muitas razões, incluindo diferentes estruturas familiares, múltiplas influências culturais e fatores socioeconômicos, estão chegando à escola com necessidades sociais e emocionais muito mais complexas e abrangentes do que nunca.

Ensinar as crianças a identificar e gerenciar emoções e a criar resiliência prepara-as para:

Serem mais capazes de enfrentar os desafios na escola e em suas próprias vidas;

terem um melhor desempenho acadêmico.

A escola, denominada de “Ambiente Cognitivo Formal”, será o grande laboratório para que a criança se perceba como pessoa trabalhadora, capaz de produzir, sentir-se competente.

As habilidades socioemocionais que deveriam estar desenvolvidas até os 7 anos têm especial relevância: sem confiança, autonomia e iniciativa, a criança não poderá afirmar-se nem se sentir capaz.

Inevitavelmente, as habilidades desenvolvidas, ou não, irão refletir dentro da sala de aula e no pátio da escola.

O sentimento de inferioridade pode levar a bloqueios cognitivos, a descrença quanto às suas capacidades e a atitudes regressivas: a criança deverá conseguir sentir-se integrada na escola, uma vez que este é um momento de novos relacionamentos interpessoais importantes.

Questão chave dessa fase: Serei competente ou incompetente?



ASE dos 7 aos 9 anos


À medida que as crianças entram e crescem no ensino fundamental, seu mundo e seu senso de possibilidades se expandem. Elas estão desenvolvendo o conhecimento e as habilidades que as ajudam a ser competentes em muitas áreas do desenvolvimento.


Seu senso das possibilidades do mundo se expande – tanto suas oportunidades quanto seus perigos. E elas também estão gastando muito menos tempo, em média, com os pais do que costumavam.

Cada nova experiência oferece oportunidades e desafios para se conectar com crianças em idade escolar.

Por um lado, os pais podem sentir que seus filhos estão ficando grandes o suficiente para serem muito mais independentes.


Ao mesmo tempo, eles também podem querer proteger seus filhos dos riscos com que se preocupam.

O ato de equilíbrio para os pais é "dar as costas" e, ao mesmo tempo, dar-lhes oportunidades de descobrir sua própria voz, poder e potencial.

Na aprendizagem socioemocional, trabalhamos 6 domínios: cognitivo, emocional, social, valores, perspectivas e identidade.

Domínios cognitivos, perspectivas e identidade.

Quais marcos você pode esperar:

  • As crianças se concentram na construção de seu próprio senso de ser competente. Elas querem aprender coisas novas que constroem sua autoconfiança durante o ensino fundamental.

  • Elas aprendem a ler, e muitas gostam de ler os "capítulos" por conta própria.

  • A atenção delas cresce. Elas fazem perguntas mais complexas e querem respostas mais detalhadas.

  • Elas costumam fazer hobbies ou colecionar coisas durante esses anos.

Domínio Emocional

Quais marcos você pode esperar:

  • As crianças em idade escolar do ensino fundamental ainda não conseguem se colocar no lugar de outras pessoas, por isso costumam agir de maneira egocêntrica. À medida que crescem, elas se tornam mais empáticas e veem as coisas da perspectiva de outras pessoas.

  • Às vezes, as crianças ficam amuadas, arredias e preocupadas. Elas ainda estão descobrindo como gerenciar suas emoções.

  • As crianças tendem a ter seus sentimentos facilmente magoados. Elas também tendem a supor que as pessoas que as machucaram "fizeram isso de propósito".

​​

Domínio Social e Valores

Quais marcos você pode esperar:

  • As crianças em idade escolar começam a prestar mais atenção às pessoas ao seu redor. Elas se comparam aos outros e tentam se encaixar.

  • As crianças em idade escolar ficam mais seletivas na escolha de amigos e fazem julgamentos sobre outras pessoas. Aos 6 ou 7 anos, as crianças tendem a se sair melhor com um amigo, mas aos 8 ou 9 anos podem ter vários melhores amigos. ​

  • As crianças podem ter um grande interesse nas diferenças entre meninos e meninas. As crianças em idade escolar geralmente querem brincar apenas com amigos do mesmo sexo. Essa dinâmica pode ser um desafio para as crianças que estão lutando com a identidade de gênero.

  • As crianças tomam conhecimento dos estereótipos, preconceitos e rejeições de outras pessoas devido a raça, sexo, idade, peso e outros fatores, principalmente quando experimentam o preconceito. Os adultos desempenham um papel importante em ajudá-las a interpretar esses problemas, para que não internalizem vieses negativos sobre si ou sobre os outros.



ASE dos 10 aos 14 anos

Estes anos são cruciais, os jovens começam a descobrir quem são e seu lugar no mundo.

Com uma capacidade crescente de ver as consequências de diferentes ações, os adolescentes e jovens adolescentes são mais capazes de pensar como adultos, mas não têm a experiência e o julgamento necessários para agir como adultos. ​

Um forte apoio pode ajudá-los a desenvolver a confiança de que precisam para fazer escolhas positivas, à medida que descobrem quem são e como se encaixam nos outros. ​

Domínios cognitivos, perspectivas e identidade. ​

Quais marcos você pode esperar:​

  • Jovens adolescentes se tornam cada vez mais independentes. Eles cultivam seus próprios interesses, preferências e crenças, incluindo escolhas sobre amigos, esportes, interesses e escola. ​

  • Como eles pensam começa a mudar de como uma criança pensa para como um adulto pensa. Isso inclui ter habilidades de raciocínio mais avançadas (como pensar em situações hipotéticas) e capacidade de pensar abstratamente (ou pensar em coisas que não podem ver).​

  • Eles começam a ter seus próprios pensamentos e opiniões sobre muitos tópicos – incluindo coisas que sempre aceitaram, como regras da família.

  • À medida que desenvolvem habilidades avançadas de raciocínio, podem discutir, questionar a autoridade ou desafiar os padrões da sociedade. É como eles praticam essas habilidades novas e desconhecidas.

  • Eles geralmente desenvolvem um forte senso de certo e errado, incluindo um profundo senso de justiça ou injustiça que experimentam ou veem ao seu redor.

Domínio Emocional​

Quais marcos você pode esperar:​

  • Enquanto as crianças passam pela puberdade, elas podem experimentar emoções na montanha-russa. Eles podem mudar rapidamente de felizes para tristes ou de se sentirem espertas para se sentirem burras.

  • Muitas crianças se tornam emocionalmente sensíveis. Eles podem ser facilmente ofendidas ou feridas.

  • É provável que as crianças se concentrem em si mesmas, alternando entre excesso de confiança e insegurança.

  • As mudanças em seus corpos, em como pensam, em seus amigos e no mundo ao seu redor (como novas escolas) podem criar muito estresse para alguns jovens adolescentes.​

Domínio Social e Valores​

Quais marcos você pode esperar:​

  • Alguns jovens se irritam com o afeto físico de mães e pais. Eles podem parecer rudes e mal-humorados.

  • Muitas crianças formam grupos, e grupos unidos. Eles sabem muito bem quem está em qual grupo – embora possam não saber onde se encaixam. Aqueles que não fazem parte desses grupos unidos podem experimentar um profundo senso de isolamento e rejeição.

  • Os pares têm cada vez mais influência, tanto positiva quanto negativamente. As crianças querem se encaixar, para que possam fazer coisas com outras que nunca fariam sozinhas.

  • Alguns jovens podem sofrer pressão (ou ficar curiosos) para usar álcool, tabaco ou drogas, ou se envolver em outros comportamentos de risco que os adultos consideram "fora dos limites".​


Desenvolvendo a resiliência

Outro aspecto importante da aprendizagem socioemocional – ASE – nessa fase da vida da criança está diretamente relacionado à resiliência.


Com uma formação socioemocional sólida, a criança desenvolve a capacidade de reduzir os efeitos de adversidades significativas.

O desenvolvimento saudável das crianças é essencial para o progresso e a prosperidade de qualquer sociedade.

​A ciência nos diz que algumas crianças desenvolvem resiliência ou capacidade de superar dificuldades sérias, enquanto outras não. É crucial compreender por que algumas crianças se saem bem, apesar das experiências adversas iniciais, pois isso pode informar políticas e programas mais eficazes que ajudam mais crianças a atingir seu pleno potencial.

​Os pais precisam observar o equilíbrio da gangorra da resiliência.

A gangorra da resiliência é dividida entre as experiências de proteção e as habilidades de enfrentamento, por um lado, e as adversidades significativas, contrabalançando, por outro.

A resiliência é evidente quando a saúde e o desenvolvimento da criança apontam para resultados positivos – mesmo quando uma carga pesada de fatores é acumulada no lado negativo.

​Nossas vidas são cheias de altos e baixos, e nesta fase a criança começa perceber isso.

É nesse momento que a "presença” – o ápice da ausência ou estar de corpo e alma – dos pais é decisiva para o desenvolvimento da resiliência e da segunda competência da aprendizagem socioemocional: a autogestão.

​Autogestão é um passo além da autoconsciência. Primeiro devemos aprender a olhar para dentro, ter autoconsciência interna.

Em um segundo momento, passamos para a autoconsciência externa: entender o que está acontecendo ao nosso redor, entender o que chamamos de círculo de influência, onde estamos influenciando e onde estamos sendo influenciados.

​Quando esse processo estiver completo – sua duração pode acontecer em segundos ou anos, depende da nossa aprendizagem socioemocional –, estamos prontos para entrar no estágio da autogestão.

Autogestão é o que você faz em relação às suas emoções, aos seus sentimentos e pensamentos.

É nesse estágio da ASE que definimos nossos comportamentos no dia a dia.

​Outra competência da aprendizagem socioemocional – ASE – que se inicia nesta fase é a empatia: saber o que os outros pensam e sentem e compreender seu ponto de vista.

É de suma importância entendermos que o desenvolvimento dessas competências nessa fase da vida vai depender muito da relação da criança com um adulto.

​O fator mais comum para crianças que desenvolvem resiliência é pelo menos um relacionamento estável e comprometido com um dos pais, cuidador ou outro adulto que apoia.

Esses relacionamentos fornecem capacidade de resposta personalizada, andaimes e proteção que protegem as crianças de interrupções no desenvolvimento.

Eles também desenvolvem capacidades-chave – como a capacidade de planejar, monitorar e regular o comportamento – que permitem que as crianças respondam adaptativamente às adversidades e prosperem. Essa combinação de relacionamentos de apoio, desenvolvimento de habilidades adaptáveis ​​e experiências positivas é a base da resiliência.



Desenvolvendo autorregulação

A autorregulação é a competência que representa nossas "Habilidades de Relacionamento".

Os adultos precisam de habilidades socioemocionais para ter sucesso na vida e apoiar o desenvolvimento da próxima geração.

Essas habilidades nos ajudam a conseguir e manter um emprego, fornecer atendimento responsivo às crianças, administrar uma casa e contribuir produtivamente para a comunidade.

Quando essas habilidades não se desenvolvem como deveriam ou são comprometidas pelo estresse da pobreza ou outras fontes de adversidades contínuas, nossas comunidades pagam o preço em saúde da população, educação e vitalidade econômica.

A autorregulação nos ajuda a recorrer às habilidades certas no momento certo, gerenciar nossas respostas ao mundo e resistir a respostas inadequadas.

No cérebro, a autorregulação inclui processos intencionais e automáticos.

O equilíbrio adequado garante ações produtivas e responsivas apropriadas.

A autorregulação automática é a nossa resposta rápida, dirigida por impulso (também chamada de resposta de "luta ou fuga"), necessária para situações urgentes ou ameaçadoras.

A autorregulação intencional é o resultado maior da aprendizagem socioemocional.

Representa a resposta consciente, planejada e proativa, necessária para alcançar as metas.

A atenção serve como guardiã do portão crítico para o engajamento de nossa autorregulação intencional, direcionando nosso foco para coisas específicas dentro de nós e ao nosso redor.

​Uma habilidade socioemocional fundamental para que a autorregulação intencional aconteça com sucesso é a função executiva, incluindo controle inibitório, memória de trabalho e flexibilidade mental.

​A habilidade de função executiva nos ajuda a lembrar nossos objetivos e as etapas necessárias para alcançá-los, resistir a distrações ao longo do caminho e encontrar um plano B quando o plano A não der certo.

Endereço: SMPW quadra 16, conjunto 04 - Parkway -

Brasília / DF - Brasil.

CEP 71.741-604