Buscar

11 PRINCÍPIOS DO PENSAMENTO SISTÊMICO



Considero o ‘PS - Pensamento Sistêmico’ o grande salto qualitativo do MIDE nos últimos anos, uma vez que não consigo visualizar o desenvolvimento da ILE – Inteligência Lógica-Emocional sem o PS.

Foi a introdução do PS no MIDE que me levou a incluir a palavra ‘Lógica’ no título ‘Inteligência Lógica-Emocional’.

Diferente de todas as teorias que estudei sobre ‘Inteligência Emocional’, o MIDE tem um propósito muito arraigado ao ‘como’ desenvolver de forma sólida e profunda a ILE.

Caso seja do seu interesse tenho um artigo específico que explica a ‘Disciplina do Pensamento Sistêmico” .

Neste artigo abordarei os 11 princípios do PS, complementando o primeiro artigo sobre o tema.

Quando entendemos o quanto fomos educados e formados no pensamento cartesiano é que enxergamos o verdadeiro valor de pensar sistemicamente.


AS RAÍZES DO PENSAMENTO SISTÊMICO

O Pensamento Sistêmico é a disciplina de ver o todo, um quadro referencial para ver inter-relacionamentos, em vez de eventos isolados e ver padrões de mudanças, em vez de ‘Fotos Instantâneas’.

O PS - Pensamento Sistêmico foi criado como disciplina acadêmica da business school.

Ao estudá-la percebi a semelhança com os princípios das filosofias orientais que forjavam o MIDE e assim, pela primeira vez, a disciplina foi introduzida no pensar emocional.

No PS vemos as pessoas como sistemas e não como um fato estático, é o ‘Ser’ formado da aparência e natureza, sendo que ambos trazem influências do que chamamos de sistemas subjacentes.

A natureza de uma pessoa é a parte invisível do ‘Ser’, a personalidade, o temperamento, os modelos mentais, etc.

As interconexões explicam a dificuldade do mundo de desenvolver a ILE – Inteligência Lógica-Emocional, não fomos educados e formados para enxerga-las.

Nossa mente é reativa e vive em ‘Saltos de Abstrações’ buscando generalizar tudo, comparando, julgando e rotulando tudo muito rápido.

Pensar sistemicamente exige Metaconsciência, Metavisão e Metapensamento, conjunto que chamo de Metacognição, aprender a rever o que aprendemos.

Um casal em que um deles não consegue demonstrar seus sentimentos, pelo menos dentro da expectativa do cônjuge.

A queixa do par tende a generalizar: “Esta pessoa é casada com uma pessoa insensata, fria e egoísta.”

Isso porque nossa mente foi programada para comparar, julgar e rotular baseados em ‘Modelos Mentais’ arraigados em nosso inconsciente.


OS MODELOS MENTAIS E O PENSAMENTO SISTÊMICO

O PS exige o entendimento do contexto macro, quando passa a ver a pessoa em questão como um sistema, pode-se entender que de fato ela vem seguindo um script que foi redigido ao longo de sua formação ou que ela é fruto dos ‘Modelos Mentais’ que foram forjados principalmente nos dois primeiros setênios – 0 a 14 anos de vida.

Um pensador sistêmico antes de julgar ou fazer qualquer julgamento busca entender a ‘Visão Sistêmica da Vida’ da pessoa, nos três macro ambientes que a formam: Ambiente Socioambiental, Ambiente Biopsicológico e Ambiente Cognitivo e principalmente buscamos identificar os ‘Modelos Mentais’ ligados a cada um dos ambientes.

Não se pode pedir para alguém dar o que não tem ou pedir a uma laranjeira para dar maçãs.

As pessoas agem não em conformidade com o que falam, mas sim em conformidade com seus ‘Modelos Mentais’ e essa diferença chamamos de ‘Defasagem’, Dr, Chris Agirys de Harvard a considera como raiz de todos os conflitos da humanidade.

A pessoa age como foi programada, passou a vida sendo tratada assim e com o tempo acredita que é a forma usual de tratar os outros.

Existe uma cadeia inconsciente. Quebra-la é mudar os ‘Modelos Mentais’ e este processo faz parte do desenvolvimento da ILE.


METANOIA – UMA MUDANÇA DE MENTALIDADE

A palavra ‘Metanoia’ significa mudança de mentalidade. Pré-requisito básico para mudarmos os ‘Modelos Mentais’ que nos trazem sofrimento, apego, controle e medo.

Este termo tem uma história rica, para os gregos, significava uma mudança ou alteração fundamental ou, mais literalmente, transcendência (“Meta” – acima ou além e “noia” – da mente).

Entender o sentido de ‘Metanoia’ é entender o verdadeiro sentido de cognição, pois envolve uma alteração fundamental ou movimento da mente.

Considero a ‘Metanoia’ fonte de energia para o desenvolvimento da ILE – Inteligência Lógica-Emocional, porque esse processo exige aprendizagem verdadeira, metacognição, uma aprendizagem que mexe profundamente, que chega ao coração.

Através da ‘Metanoia’ podemos nos recriar, exercer o desenvolvimento da ‘Metacognição’.

Somos capazes de fazer algo ‘Inédito’, algo que nunca fomos capazes de fazer e essa mudança muda nossa percepção do mundo e nossa relação com ele, amplia nossa criatividade, desperta nossa intensa sede para essa nova forma de aprendizagem sistêmica.

PRINCÍPIOS DO PENSAMENTO SISTÊMICO


1º. PRINCÍPIO

OS PROBLEMAS DE HOJE VÊM DAS “SOLUÇÕES” DE ONTEM

Existe em cada um de nós uma propensão de encontrar um culpado para tudo de ruim que nos acontece, como se o inimigo sempre residisse fora.

Sem o pensamento sistêmico enxergamos os fatos como um quadro estático, e não encontramos as inter-relações porque são muito sutis e quase sempre imperceptíveis.

A base do PS – Pensamento Sistêmico é a lei da ‘Causa / Efeito’, mas como nossa formação é cartesiana temos dificuldades de entender que nossos problemas são efeitos de nossas ações no passado.

O PS nos mostra que a dificuldade de perceber uma ‘Causa’ é que normalmente ela ocorre em um tempo muito longínquo e quando o ‘Efeito’ se manifesta fica difícil relacionarmos um ao outro.

As vezes o que parece a causa, de fato é efeito de uma solução que demos a um outro problema no passado.

Outra dificuldade de não aplicar o PS é o fato que muitos problemas são efeitos de causas ou soluções que outra pessoa deu a um outro problema dentro do sistema, impossibilitando encontrar a ‘Causa’.

As vezes nos deparamos em uma relação com uma pessoa muito insegura e incapaz de buscar soluções e a julgamos fraca.

Se aprofundarmos no seu sistema podemos percebemos que este tipo de atitude é resultado de uma criação super protetora. Exemplo do efeito de uma causa provocada por uma pessoa em outra parte do sistema.


2º. PRINCÍPIO

QUANTO MAIS VOCÊ EMPURRA, MAIS O SISTEMA EMPURRA DE VOLTA.

O PS – Pensamento Sistêmico tem um nome para este fenômeno: “Feedback de Compensação”.

A característica principal do ‘Feedback de Compensação’ é que as intervenções “Bem intencionadas” provocam respostas do sistema inversas as esperadas pela pessoa.

Todos conhecemos bem o que é enfrentar um ‘Feedback de Compensação, quanto mais empurramos, mais o sistema empurra de volta ou quanto mais nos esforçamos para resolver um problema, maior o esforço para resolvê-lo.

Um exemplo de ‘Feedback de Compensação’ que convivo diariamente com meus alunos é o ‘Controle’, quanto mais vejo as pessoas exercê-lo na busca de controlar uma relação mais afastam a outra pessoa que se sente sufocada.

A super proteção que atualmente os pais estão exercendo sobre os filhos é outro exemplo, chegam a interferir nos conflitos com colegas de escola e o que não percebem é que ao fazerem isso cada vez haverá necessidade de aumentar a interferência, pois o que de fato estão conseguindo é deixar as crianças dependentes.


3º. PRINCÍPIO

O COMPORTAMENTO MELHORA ANTES DE PIORAR

No PS – Pensamento Sistêmico trabalhamos com o conceito de ações de baixa e alta alavancagem, ações excessivas que trazem pouco resultado ao sistema são chamadas de baixa alavancagem e ações pequenas que geram grandes mudanças são chamadas de alta alavancagem.

No PS ensinamos as pessoas a buscarem apenas ações de alta alavancagem, pouca energia para grandes resultados, para isso apelamos ao Metapensamento e a Metavisão.

As intervenções de baixa alavancagem não seriam tão amplamente usadas se não fosse pela razão que dão resultados de curto prazo e pela nossa formação adquirimos o hábito de buscar o prazer imediato, há pouco pensamento de médio e longo prazo.

Na ILE - Inteligência Lógica-Emocional essa é a principal característica do 3º. estado intrapessoal de vida, Animalidade, por caracterizar o mundo animal, onde não há pensamento no futuro.

Como exemplo, vejo pessoas super infelizes com a vida que estão levando, relacionamentos ou empregos que não trazem nenhuma realização e ao invés de enfrentarem a questão optam por antidepressivos e ansiolíticos.

Inicialmente a ansiedade e tristeza desaparecem, mas é só uma questão de tempo voltarão muito mais forte.

As soluções que tratam os sintomas sempre nos parecem maravilhosas.


4º. PRINCÍPIO

A SAÍDA MAIS FÁCIL NOS LEVA DE VOLTA PARA DENTRO DO PROBLEMA

Procuramos soluções que atendam nossos ‘Modelos Mentais’ e não pensamos na alavancagem.

As soluções sistêmicas não partem pelo óbvio, isso é uma característica de soluções cartesianas, problemas sistêmicos exigem pensamento sistêmico.

Recordo me de uma palestra sobre combate ao tráfico de drogas que assisti em Chicago.

O propósito era, exatamente, mostrar que as ações que a polícia vinha empreendendo não surtiam efeito a médio e longo prazo, pelo contrário, estavam piorando.

Em uma determinada época o chefe da narcóticos de Chicago decidiu montar operações permanentes de combate ao tráfico, a ordem era fechar o cerco a entrada de drogas na cidade, uma solução bem cartesiana para o problema.

A questão é que a droga em si é a ponta do iceberg e como a ação foi muito efetiva, faltou droga no mercado, porém os viciados não diminuíram e o consumo ficou o mesmo.

Seguindo a lei da oferta e procura o combate isolado do tráfico sem um suporte educacional, sem tratamento adequado fez com que o problema aumentasse.

O número de dependentes continuou crescente enquanto a oferta diminuía e com o passar do tempo a violência aumentou significativamente.

Com ausência de um pensamento sistêmico o governo levou muito tempo para perceber que o programa que parecia um sucesso, na verdade trouxe mais problemas, ou seja, a saída mais fácil, combater o tráfico, levou a cidade de Chicago ainda mais para dentro do problema das drogas.


5º. PRINCÍPIO

A CURA PODE SER PIOR DO QUE A DOENÇA

Na grande maioria das vezes a saída mais fácil não só é ineficaz, como perigosa, podendo criar dependência.

Quando jovem tive a oportunidade de conviver com pessoas com autoestima baixa, que usavam o álcool como uma alternativa para se socializarem.

Inicialmente dava certo, mas com o tempo foram precisando cada vez de doses maiores e ficaram dependentes da bebida, e ainda, aumentaram os problemas para se socializarem.

Este exemplo deixa claro a mais perigosa consequência de soluções não sistêmicas, a utilização de doses cada vez maiores da solução.

Outra característica deste princípio é a transferência de responsabilidade, quando uma parte do sistema busca uma solução “boa” para si, sem avaliar o impacto no sistema de uma forma geral.

Um exemplo presente em nossas vidas são os programas de assistencialismos cada vez em quantidades maiores em nossa sociedade, uma solução que a princípio parece resolver e que a longo prazo é muito nociva, pois cria dependência, não agrega valor ao conhecimento de nosso povo.


6º. PRINCÍPIO

MAIS RÁPIDO SIGNIFICA MAIS DEVAGAR

As pessoas no afã de se livrarem de um problema buscam uma solução rápida, não necessariamente eficaz.

Claro que existem situações emergenciais que precisamos de uma solução de contingência, mas não é este o caso que este princípio trata.

Quando não aplicamos um PS a um problema existe uma tendência de buscarmos a solução que resolva o agora, não existe análise do impacto de forma mais ampla.

Outra característica não sistêmica é por tentativa e erro, no dois casos o que parece ser uma solução rápida se revela uma solução muito mais longa, há pouco ou quase nenhum planejamento.

Há tempo os povos orientais, principalmente os japoneses trabalham com o conceito do curto/longo e longo/curto nos mais diversos planejamentos.

A teoria mostra que um planejamento muito curto normalmente se transforma em uma execução muito longa e por isso adotam um planejamento mais longo e em compensação executam em um tempo muito menor e com mais precisão e qualidade.


7º. PRINCÍPIO

“CAUSA” e “EFEITO” NÃO ESTÃO PRÓXIMOS NO TEMPO E NO ESPAÇO

Este princípio foi discutido dentro de outro cenário no início deste artigo.

Quando adotamos o pensamento sistêmico como ferramenta de análise de um problema, sem dúvidas esse é um dos maiores desafios.

No MIDE trabalhamos com o conceito de blindar o núcleo do sistema, a pessoa que estamos trabalhando, procurando entender “causas” e não culpados.

O método foi elaborado em cima de conceitos que possibilitam trabalhar “Causa / Efeito”, tais como: modelos mentais; Os Estados Intrapessoais de Vida; Matriz de Valores e as 9 consciências.

Um ponto importante quando pensamos em “Causa/Efeito” é o entendimento que ambos são gerados no mesmo milésimo de segundo, quando geramos a “Causa”, geramos também o efeito.

O que dificulta é o que chamamos de efeito delay ou efeito latente, quando o efeito não se manifesta logo depois da causa, um efeito pode ficar latente décadas e por isso é tão difícil de entender as inter-relações entre ambos.


8º. PRINCÍPIO

PEQUENAS MUDANÇAS PODEM PRODUZIR GRANDES RESULTADOS

Este princípio aborda o conceito de alavancagem, baixas, onde há muito esforço para pouco resultado e alta, onde com pouca energia podemos produzir grandes resultados.

O princípio no PS – Pensamento Sistêmico ensina que as soluções óbvias nem sempre dão os resultados esperados, apenas melhoram a curto prazo.

O PS mostra que pequenas atitudes bem focalizadas podem produzir melhoras significativas e duradouras, quando aplicadas no ponto certo do sistema.

Este é um dos princípios que se deve ter em mente assim que nos deparamos com um problema sistêmico, achar pontos de alta alavancagem.


9º. PRINCÍPIO

VOCÊ PODE ASSOBIAR E CHUPAR CANA – MAS NÃO AO MESMO TEMPO

Este princípio é muito usado no MIDE quando damos suporte ao desenvolvimento da ‘Disciplina do Inédito’, ele direciona o pensamento ao resultado de médio e longo prazo, nos afasta do Estado Intrapessoal da Animalidade.

Deparo me, frequentemente, com pessoas que querem o sonho de ficar rico com pouco esforço, produzir algo sólido e rápido, abrir um negócio de sucesso imediato, assim por diante.

O que este princípio evoca são exatamente essas discrepâncias, algo novo, sólido e revolucionário tem um processo a vencer até que se torne algo sólido e famoso.

Foi em busca de explicar este princípio que recorri a ‘Disciplina do Inédito’ a teoria que divide a humanidade em 5 grupos quando o assunto tratado é novo ou Inédito: Entusiastas 4%, Visionários 15%, Pragmáticos 33%, Conservadores 33% e Céticos 15%.

Ideias novas inicialmente impactam apenas 4% do público. Com trabalho árduo rompemos a barreira rumo aos visionários, 15% da população e eles é que irão projetar sua ideia.

Uma ideia nova e verdadeiramente revolucionária leva muito tempo para ser testada e aprovada, por isso estão reservadas aqueles que conseguem desenvolver os 7 fatores da ‘Disciplina do Inédito’.

O mesmo pensamento pode ser aplicado ao processo criativo, buscamos mostrar que as grandes ideias são resultados de anos, às vezes décadas de estudos.

O momento ‘Aha!’ ou ‘Eureca’ não ocorre como uma obra do divino e sim como resultado de um processo criativo, de uma mente que exercitou aquela atividade pelo menos 10.000 horas em ‘Atenção Seletiva’.

O nono princípio mostra o médio e longo prazo que uma ação pode gerar.

Por exemplo, você vai entrar em um determinado mercado e para isso precisa definir uma estratégia.

Esta pode ser a ‘boomerang’, ou seja, entrar fazer dinheiro rápido e sair, ou entrar de forma gradual e sólida, com foco na qualidade e pensar a longo prazo.

Não é possível entrar num mercado com baixo preço, muita publicidade, muita qualidade e pensar que é uma estratégia sustentável, baixar os custos e manter qualidade máxima. É o mesmo que querer chupar cana e assobiar ao mesmo tempo.


10º. PRINCÍPIO

DIVIDIR UM ELEFANTE AO MEIO NÃO PRODUZ DOIS ELEFANTES PEQUENOS

Esse princípio é o pilar para o PS – Pensamento Sistêmico, – representa a antítese do pensamento cartesiano que tem exatamente o princípio oposto.

Aqui, chamamos atenção ao fato da impossibilidade de encontrar uma solução ou um ponto de alta alavancagem procurando apenas em uma parte do sistema.

Os sistemas vivos têm integridade e seu caráter dependo do todo.


11º. PRINCÍPIO

NÃO EXISTEM CULPADOS

Confesso que considero este o mais importante princípio do PS – Pensamento Sistêmico, ele provoca uma mudança de paradigma radical na forma que nossa sociedade pensa e isso me fascina.

O PS mostrou me uma nova forma de enxergar o mundo.

Isso me fortaleceu e vem fazendo o mesmo com todos aqueles que estudam o MIDE, deixar de procurar culpados tira um peso enorme de nossas costas.

Gosto de dizer que procurar um culpado em um PS nos leva invariavelmente a África e isso é incrível porque traz a responsabilidade da mudança para nossas próprias mãos.

Quando trabalhamos ‘Modelos Mentais’ esse é um dos princípios que mais evocamos, pois em um PS é inútil buscar culpados, porque de fato não existem mesmo.

Em nossas relações humanas fica ainda mais evidente como esse princípio é real e se torna ainda mais óbvio quando sobrepomos a matriz de valores de um casal, os conflitos que surgem das naturezas normalmente cruzaram gerações e cabe a cada um avaliar os benefícios que uma mudança pode provocar.

Pensar sistemicamente é uma pré-requisito para o desenvolvimento da ILE, se a busca é sólida e verdadeira não existe outro caminho.

Tenho o PS como coluna vertebral do MIDE, a verdadeira sustentação das mudanças de longo prazo, principal característica exigida na ILE.

Estudar e entender profundamente cada um dos princípios do PS é fundamental para educar sua mente ao PS.


434 visualizações

Endereço: SMPW quadra 16, conjunto 04 - Parkway -

Brasília / DF - Brasil.

CEP 71.741-604