Buscar

FATORES DE INFLUÊNCIA



FATORES DE INFLUÊNCIA

Frequentemente as pessoas transitam pelos 10 Estados Intrapessoais de vida: escuridão, desejo, animalidade, ira, tranquilidade, alegria, busca, equilíbrio, entrega e iluminado.

Como o próprio nome diz, são estados e sendo assim não caracteriza o emocional, uma pessoa não é tranquila e sim está tranquila, por exemplo.

A teoria dos estados intrapessoais é de grande consistência no estudo do emocional.

Quando me deparei com a teoria dos estados intrapessoais de vida levei um choque muito grande, não me recordo de algo fazer mais sentido quando falamos de emocional.

Estudando essa teoria e o universo que a circunda, logo de início tem-se o ímpeto de assumir o compromisso de elevar o estado intrapessoal de vida e traçar a meta de não se deixar cair nos estados baixos.

Com o passar do tempo neste exercício diário, trabalhando com atenção seletiva e em nível consciente. As pessoas se questionam porque atingem um estado elevado e ainda ficam suscetíveis aos estados baixos.

Essa reflexão as leva ao fatores que influenciam o emocional e as conduz a observar, mais uma vez, como o MIDE é um caminho seguro para tangibilizar a ILE – Inteligência Lógica-Emocional.


1º. FATOR – APARÊNCIA

A aparência é o mundo das formas ao externo. Por isso influenciam os estados intrapessoais baixos de vida.

É importante lembrar duas características comuns dos 4 estados intrapessoais baixos: o ódio e a influência do mundo externo.

Quando se estuda a ILE – Inteligência Lógica-Emocional, percebe-se o quanto este fator está presente.

Quase a totalidade dos meus alunos chegam ao MIDE em um estado intrapessoal baixo ou inferior de vida e como a maioria dos estados são inconscientes, a percepção em relação aos fatores não é diferente.

É relevante chamar atenção como ‘Aparência’ influencia o emocional.

Comumente encontra-se pessoas em estado de sofrimento – ‘Escuridão’ – pela sua aparência, magro / gordo, alto / baixo, negro / branco, bonito / feio.

Sem viver segundo a essência da vida, a ‘Aparência’ toma sentido da vida. Não me refiro apenas a parte física. O ‘Desejo, – 2o. Estado Intrapessoal Baixo –, é outro exemplo de como ‘Aparência’ influencia a vida.

Vive-se em um estado intrapessoal baixo de vida, o ‘Desejo’, exatamente pela influência do mundo das formas.

Recentemente uma universidade na Inglaterra testou se um cego poderia criar o desejo do consumo sem conhecer a ‘Aparência’.

Selecionaram 3 carros zero muito bons, porém com a diferença de quase trezentos mil reais entre o mais barato e o mais caro. Todos climatizados a 23o. C e convidaram 3 pessoas cegas, de nascença, para andarem nos veículos.

No fim da experiência os cegos deveriam escolher qual daqueles veículos era o melhor. Nenhum dos cegos conseguiu identificar.

Porque alguém pagaria uma diferença tão significativa a mais por algo pouco perceptível?

A resposta está na aparência em si, a forma, o design externo e interno e principalmente o status que se compra junto com o veículo.

A forma cria o desejo, razão pela qual a ‘Visão’ é considerada pelos povos do oriente como a 1a. Consciência.


2º. FATOR – NATUREZA

Quando falo de ILE – Inteligência Lógica-Emocional não resta dúvida que este fator está no foco principal.

A ‘Natureza’ é a parte invisível do ser, a personalidade, temperamento, modelos mentais e espiritualidade.

Não é possível vê-la, mas pode-se percebê-la, no convívio diário.

O emocional é o próprio fator ‘Natureza’, onde os três macro ambientes da visão sistêmica da vida – Socioambiental, Biopsicológico e Cognitivo – se fundem.

Com exceção das relações de um casal, que podem sofrer influência da ‘Aparência’, é na ‘Natureza’ que a ILE encontra seu maior desafio.

A ‘Matriz de Valor’ tem como finalidade trazer elementos que expressam a ‘Natureza’ da pessoa, principalmente os modelos mentais.


3º. FATOR – SER ou ENTIDADE

Aqui, considera-se a pessoa como um todo, a fusão da mente, corpo e essência divina.

O MIDE buscou no PS – Pensamento Sistêmico a ferramenta para tangibilizar este fator.

Pode-se perceber neste fator a interação dos dois primeiros fatores quando aparência afeta a natureza e vice-versa.

As pessoas conduzidas por modelos mentais referentes a estética abalam seu emocional ou afetam até mesmo sua personalidade por causa de sua aparência.

Um exemplo disso é a expressiva atenção sobre o bulling nas últimas décadas.

Tanto a vítima como o gerador do bulling saem de casa predestinados.

Uma família que tem em seu núcleo uma matriz de valores arraigada no respeito e na força interior, bloqueia os dois casos.

Há pessoas que sequer sabem seus próprios valores quiçá nem de seus filho ou núcleo familiar.


4º. FATOR – DONS ou PODER

Este fator trabalha os dons que influenciam as vidas para melhor ou pior, dependendo de como forem usados.

O MIDE buscou a teoria das ‘MI’ - Múltiplas Inteligências – para desenvolver o tema dos dons.

Percebe-se a influência que a teoria das MI exerceu sobre o MIDE e consequentemente sobre a ILE – Inteligência Lógica-Emocional. O próprio website leva o nome da teoria do renomado Psicólogo Cognitivo de Harvard, Dr. Howard Gardner.

No início poucos entenderam as razões do MIDE trabalhar com as ‘Múltiplas inteligências’ no universo da ILE.

As MI trouxeram nova forma de enxergar as pessoas uma vez que defende que todos os seres humanos nascem com as 9 inteligências. O que os difere um dos outros são os dons para manifestá-las.

As MI reduzem a prepotência. Ninguém é mais ou menos inteligente. Todos são diferentes em dois aspectos das MI: os dons que trazem na carga genética - Ambiente Biopsicológico - nos estímulos que recebem no decorrer da vida: Ambiente Socioambiental e Ambiente Cognitivo.

Nas MI está o ‘Poder’ do 4o. Fator. A teoria, amplamente, testada de Gardner defende que qualquer pessoa em qualquer idade pode desenvolver umas das MI. É uma questão de estímulo e dedicação.

Fiquei maravilhado com essa teoria que nasceu em Harvard e hoje influencia a educação de mais de 25% da população mundial.

Ela me mostrou, e é assim que o MIDE apresenta, o ‘Poder’.

O poder que as pessoas têm para mudar a vida quando decidem o que o quer, é uma questão de esforço e dedicação.

As MI trabalhadas podem fazer do 4º. fator uma força.


5º. FATOR – INFLUÊNCIA

A ‘Influência’ é a resposta para a seguinte pergunta:

O que você fez ou está fazendo com os dons que recebeu?

Qual a influência que sua vida e das pessoas do seu sistema sofreram positivamente com a manifestação dos seus dons e consequentemente das suas MI?

No conceito da ILE – Inteligência Lógica-Emocional e consequentemente o MIDE que é o método para desenvolvê-la, adotamos o conceito das 9 consciências, o que ajuda a esclarecer este fator.

Na teoria, a 9a. consciência guarda a verdadeira essência da vida, parte imaculada do ser e onde reside a ‘Intuição’.

Este fator está muito presente na vida de cada um, pode-se enganar ou até mesmo não perceber os próprios dons por falta de estímulo, mas a intuição os conhece e sabe o verdadeiro potencial.

Como diz o ditado popular: “Não existe almoço de graça.” Ou “O universo dá, mas cobra a conta.”

Deparo me diariamente com pessoas que sentem força interior e não conseguem se expressar. No MIDE interpretamos como um pedido de socorro enviado pela intuição na busca de manifestar seus dons.

Pessoas que vivem em um estado baixo de vida porque não conseguem revelar seus dons, não conseguem exercer influência positiva em suas vidas.


6º. FATOR – CAUSA INERENTE

São causas recorrentes que geram efeitos também recorrentes em nossa vida, bons ou ruins.

Quando se está em estado baixo de vida age-se de forma coerente, gerando efeitos os quais irão reforçar, ainda mais, aquele estado em um ciclo vicioso.

No MIDE buscamos trazer a tona o estado de vida de cada pessoa porque sabemos que nele reside grande parte dos efeitos latentes e manifestos da vida.

Uma pessoa no estado de ‘Desejo’, por exemplo, marcado, principalmente, pelo desejo ávido do ser humano de controle não percebe que quanto maior o controle que exerce, mais conflito interpessoal traz a sua vida afetando o emocional e consequentemente o estado de vida.

Há casos de pessoas que estão em um estado baixo de muito sofrimento e não percebem que os erros são recorrentes, entram e saem de relacionamentos e não percebem que elas próprias que geram os efeitos que a faz sofrer.


7º. FATOR – RELAÇÃO

Expressa nossa relação com o mundo externo, bem influentes nos estados intrapessoais baixos e inferiores de vida.

No MIDE trabalho muito este fator mostrando como somos ávidos por controle ‘Controle’.

Mostro como o ‘Controle’ é a fonte maior de nossos sofrimentos e como é inútil buscá-lo, porque de fato a única coisa que conseguimos controlar na vida é nossa mente, o resto é ilusão.

Entender este conceito no MIDE muda sua relação com o mundo externo. Entendemos que não controlamos a crise de nosso país, não controlamos o trânsito, o humor das pessoas em nossa volta, mas podemos controlar como interagimos com o universo.


8º. FATOR – EFEITO LATENTE

Consequência do 6º. fator, em geral, quando produzimos causas recorrentes. O efeito pode se manifestar de imediato ou ficar adormecido, quando chamamos de efeito latente.

Para trabalhar este efeito no MIDE busquei o PS – Pensamento Sistêmico e explico, em detalhes, o por quê fiz isso no artigo ‘Os 11 Princípios do PS’.

Muitas vezes temos dificuldade de entender nossos sentimentos e isso afeta diretamente o emocional.

Isso acontece porque trazemos efeitos latentes em nossas vidas e quando eles se manifestam a causa pode estar muito distante, às vezes, décadas atrás e sem o PS fica quase impossível perceber.

Um casal que traduza o valor ‘Cuidado’ com o conceito que a maioria da humanidade chamaria de controle e superproteção, pode gerar efeitos latentes nocivos a longo prazo.

Acreditando estar ‘Cuidando’ dos filhos, buscam antecipar a tudo e a todos no dia a dia das crianças se dispondo a controlar até mesmo os eventos naturais das idades como quedas, brigas, etc.

Uso o exemplo para alertar aos pais o efeito latente que estão gerando na vida dos filhos, o que hoje parece cuidado, carinho e proteção irá se revelar décadas para frente como insegurança, medo, autoestima baixa e dificuldade de relacionamento.

Este exemplo mostra bem o que esse fator quer dizer.


9º. FATOR – EFEITO MANIFESTO

São os fatos que estamos vivendo neste momento e como eles nos influencia para o bem ou para o mal.

Assim como no efeito latente, o MIDE trabalha este fator pela visão do PS – Pensamento Sistêmico.

Para entender bem esse fator sugiro a leitura de dois outros artigos: “O Pensamento Sistêmico” e “Os 11 princípios do Pensamento Sistêmico”.

Temos o hábito de procurar imediatamente um culpado para tudo que acontece em nossas vidas e sem o PS corremos o risco de buscar uma solução cartesiana, “X” é efeito de “Y”, para um problema sistêmico.


469 visualizações

Endereço: SMPW quadra 16, conjunto 04 - Parkway -

Brasília / DF - Brasil.

CEP 71.741-604